voltar    


EPAÇO DAS ARTES REALIZA MANIFESTAÇÃO CULTURAL

“ESTADO DE EXCEÇÃO – VENHA VER A CORÉIA (VER VOCÊ)”

Evento inspirado na obra de Giorgio Agamben investiga o imaginário da comunidade coreana em São Paulo, questiona estereótipos e preconceitos  em obras de dez artistas e designers, naturais  da Coréia do Sul, Brasil e Itália.

A partir de 1º de agosto (sexta-feira), o Paço das Artes apresenta a manifestação cultural “Estado de Exceção - Venha Ver a Coréia (Ver Você)”, uma curadoria de Marcelo Rezende composta por vídeos, video-instalações, instalações e instalações fotográficas que se articulam em torno da idéia de excepcionalidade (nas mais diferentes formas) da comunidade coreana em São Paulo. As obras e ações são uma realização dos artistas coreanos Beom Kim e  Junebum Park,  dos brasileiros Alice Shintani, Giorgio Ronna, Lina Kim, Marcelo Reginato, Raquel Gaberlotti, Rodrigo Matheus e Wagner Morales,  dos designers brasileiros Eduardo Staszowiski, Rogério Lira, ao lado do designer italiano Roberto Galisai.  

Ao contrário de uma exposição, em que os trabalhos são amarrados por uma narrativa, o objetivo aqui é apresentar um evento contemporâneo, que corresponda à fragmentação do homem, do tempo e do espaço. Para tanto, Marcelo Rezende segue o conceito de “manifestação” proposto em 1982 pelo filósofo francês Jean-François Lyotard (1924-1998), às vésperas de lançar seu célebre projeto “Les Immatériaux”, como um esforço de dar conta da sociedade no pós-modernismo. Segundo o curador, o formato de uma manifestação é o apropriado porque “não é representativa, não é explicativa, não é ilustrativa. A manifestação acontece”.

Como ponto de partida, Rezende se inspira no ensaio filosófico “Estado de Exceção”, escrito pelo pensador italiano Giorgio Agamben em 2003. “O livro trata da suspensão dos direitos do cidadão pelo Estado em períodos de ‘emergência’ (guerras, estado de sítios, por exemplo), mostrando como esse momento inicialmente de ‘exceção’ se tornou a regra na vida hoje”, explica. Dispositivo legal criado para extinguir os limites de atuação dos governantes em momentos de crise, o “estado de exceção” autoriza a supressão dos direitos dos cidadãos. Atualmente, tornou-se ferramenta empregada por governos de países desenvolvidos economicamente para controlar a circulação de cidadãos de países dito periféricos em aeroportos, portos e fronteiras (apresentando, como um dos argumentos justificativos, a luta contra o terrorismo).

Interpretação livre da tese de Agamben, “Estado de Exceção - Venha Ver a Coréia (Ver Você)” investiga a co-existência de grupos étnicos diferentes em um mesmo território espacial, que no entanto se mantêm como estrangeiros. Para tanto, questiona o que significa esse ‘estado de exceção’ na relação entre a comunidade coreana e a cidade de São Paulo. A proposta se desenvolve em torno da criação de um circuito entre os visitantes e a comunidade de imigrantes, como uma via de mão dupla capaz de incentivar a articulação entre territórios sem diálogo. Transformando, assim, o Paço das Artes em base para variadas trocas.   

O  Curador
Marcelo Rezende é autor do romance “Arno Schmidt” (Planeta, 2005) e do ensaio “Ciência do sonho - A imaginação sem fim do diretor Michel Gondry” (Alameda, 2005). Co-curador da exposição “Comunismo da Forma” (Galeria Vermelho, São Paulo, 2007) e da mostra “À la Chinoise” (Microwave International New Media Arts Festival, Hong Kong, 2007). Editor da revista Cultura e Pensamento (2007), projeto elaborado pelo Ministério da Cultura. Foi repórter do jornal Folha de S. Paulo (1993-1998) e correspondente em Paris do diário Gazeta Mercantil (1998-2003), além de repórter da revista Bravo!.

Sobre Giorgio Agamben
O filósofo italiano Giorgio Agamben é um dos mais influentes pensadores contemporâneos. Nascido em Roma, capital italiana, em 1942, é formado em Direito. Responsável pela edição italiana do pensador Walter Benjamin, foi professor da Universidade de Verona e da Universidade de Nova York (cargo que recusou em protesto à política de segurança do governo norte-americano). Sua produção literária tem, como principais temas, a política, a filosofia e a literatura. Entre suas obras lançadas no Brasil, estão “Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua” (editora UFMG, Belo Horizonte, 2002), “Profanações” (Boitempo Editorial, São Paulo, 2005) e “Estado de Exceção” (Boitempo Editorial, São Paulo, 2007).

Serviço:
“Estado de Exceção Venha ver a Coréia (Ver Você)”
Lançamento: 1º de agosto (sexta-feira), às 19 horas. Às 19:30h haverá uma visita mediada pelo curador Marcelo Rezende.
Dias e horários de visitação: terças a sextas, das 11h30 às 19h; sábados, domingos e feriados, das 12h30 às 17h30. Até 21 de setembro (domingo)

Entrada gratuita
Local: Paço das Artes
End.: Av. da Universidade, nº 1. Cidade Universit