“Mais Pinturas” Fernando Burjato

A Galeria Virgílio apresenta a exposição “ Mais Pinturas ” de Fernando Burjato.

O artista paranaense de quarenta e um anos, em sua terceira individual na Galeria Virgílio, apresenta catorze obras recentes, onde são radicalizadas algumas características que já eram visíveis em sua produção anterior: áreas de cores intensas, dégradés, camadas de tinta a óleo que se acumulam em volumes. E a um tempo a afirmação da pintura e um olhar irônico sobre sua tradição e suas convenções.

A cor, sempre um elemento fundamental, se faz visível através de camadas espessas de tinta, que literalmente se estendem para além do espaço dos quadros, ou que se dobram sobre eles, como franjas. Segundo Bruno Oliveira, que assina o texto de apresentação, nessas pinturas “não há qualquer ímpeto de escapar da materialidade, nem do objeto (...) a tinta é um pedaço de pele disposta sobre um corpo. Esse corpo é o quadro, coberto por um manto de tinta e cor. Essa derme-pintura não é pele lisa, perfeita, jovem. Ela é casca grossa, uma pele velha, cheia de imperfeições e cicatrizes, maquiada exageradamente, como se o desejo fosse esconder as marcas do tempo, os defeitos da história.”

Em muitas obras recentes, em pequenas dimensões, as telas têm espessuras variáveis, não raramente muito maiores que o habitual, na forma de paralelepípedos. O que se pode chamar de pintura não se atém à superfície frontal, mas se estende às laterais. A pintura é uma superfície, e ao mesmo tempo um objeto. Uma janela (para a cor) e um bloco.

Fernando Burjato se formou em 1994 pela escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP), e é mestre em artes pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), desde 2011. Realizou exposições individuais, entre outros lugares, na Galeria Virgílio, na Galeria Casa da Imagem (Curitiba), no Centro Cultural São Paulo, no Centro Universitário Maria Antonia e participou da 6º Bienal de Curitiba. Possui obras nos acervos do Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC/PR) e do Museu Municipal de Arte de Curitiba (MUMA). É autor do livro de contos “Cabeça, corpo caveira e alma” (Bom Texto, 2000), e em parceria com Daniela Vicentini, publicou “Arte Brasileira nos Acervos de Curitiba” (Segesta, 2010). Vive e trabalha em São Paulo.


“Fumaça da Terra” Denise Milan

Obras de Denise Milan: Ilha Brasilis, Arasy e Sonhando...

Mostra celebra a sensualidade brasileira e seu fascinante misticismo
ao exibir a beleza natural e a diversidade do nosso povo

São Paulo, 19 de Fevereiro de 2014 - Vista pela primeira vez nos Estados Unidos, no Centro Cultural de Chicago, Fumaça da Terra, exposição individual da artista Denise Milan, chega a São Paulo, onde fica em cartaz de 26 de março a 19 de abril, na Galeria Virgílio. O conjunto de obras apresenta-se como um sedutor retrato da alma brasileira, no qual a artista visionária convida o espectador a uma emocionante viagem pelo imaginário de nosso país, celebrando a exuberância natural das selvas, rios, praias e regiões desérticas, junto à vitalidade de nossa cultura multifacetada. A curadoria é de Simon Watson, curador independente e crítico de arte baseado em Nova York e São Paulo, e Izabel Pinheiro, diretora da galeria.

Fumaça da Terra revisita a tradição profundamente humanística do trabalho artístico de Milan, há mais de 20 anos atuando como ativista ambiental e em arte-educação. São obras que derivam de seu convívio e de entrevistas em vilarejos litorâneos do Brasil, como os de Paraty, e nos sertões desérticos da Bahia. É a culminação dessa experiência e a personificação das preocupações contínuas da artista, como também um testamento de um legado problemático da colonização, da escravidão dos povos africanos, e da exploração de regiões inteiras, assim como do lado mais vívido do Brasil - sua beleza e espírito elevado.

A instalação convida o público a compartilhar em uma possível integração catártica, e conduz o espectador por três zonas temáticas: Paraíso, Paraíso Perdido e Paraíso Reconquistado. Paraíso transborda de imagens que, de maneira lúdica, conjuram um mundo natural verdejante de abundância e exuberância. Paraíso Perdido apresenta uma Terra que foi rasgada, depauperada, onde o tormento das pessoas é paralelo à devastação da terra. Paraíso Reconquistado reivindica a possibilidade de esperança depois da escuridão.

A prática contínua de Milan em fotografia e fotocolagem resulta no que o poeta concreto Haroldo de Campos descreveu como uma ação de desmobilizar as estruturas do seu cenário natural “intervindo de uma maneira extremamente criativa para acrescer em termos de informação estética, aquele dado da natureza que já era esplêndido em si mesmo, que ela recebe como um presente brasileiro para uma artista de tanta sensibilidade.”

SOBRE DENISE MILAN
Paulista, Denise Milan é uma artista multidisciplinar que trabalha com escultura, fotocolagem e performance. É ativista em educação ambiental e artística. Expôs suas obras em diversas instituições do Brasil, EUA, Europa e Ásia. Possui instalações permanentes em locais como Vale do Anhangabaú e Jardim das Esculturas do MAM (São Paulo), e Chicago Museum Campus. Autora do livro Fumaça da Terra (Associação Cairuçu, 2006), entre outros

SOBRE OS CURADORES
Simon Watson é curador, crítico e consultor de arte independente, baseado em Nova York e São Paulo. Veterano da cena de arte contemporânea mundial, Watson foi curador de mais de 200 exposições e consultor em coleções de arte para galerias, museus e outras instituições, e para colecionadores particulares. Colaborador na DASartes, Huffington Post, XOP e Whitewall.

Izabel Pinheiro atua no mercado de arte contemporânea desde os anos 1980. Em 2002, inaugurou a Galeria Virgílio para mostrar a produção de artistas jovens contemporâneos e surgidos principalmente a partir dos anos 80. Tem uma compreensão pessoal em arte e prática artística. 


SERVIÇO
Mais Pinturas de Fernando Burjato.

Exposição Fumaça da Terra, de Denise Milan
33 obras (metacrilatos e impressões sobre rag photographique)

Local: Galeria Virgílio – R. Virgílio de Carvalho Pinto, 426 - Pinheiros, São Paulo
Telefone: (11) 2373-2999 | 30628237
Horários: de segunda a sexta, das 10h às 19h; sábados, das 10h às 17h
Data: de 26 de março a 19 de abril
Censura livre
Entrada franca

rua dr. virgilio de carvalho pinto 426 Pinheiros | 05415-020 | São Paulo SP | +55 (11) 2373.2999